quarta-feira, 23 de maio de 2012

ARTIGO DE OPINIÃO SOBRE COTAS RACIAS EM UNIVERSIDADES PÚBLICAS (PARA OS ALUNOS DO 3º ANO (ALGODÃO DE JANDAÍRA))

                                               A estupidez racial


         O deputado Paulo Paim, parlamentar negro do PT gaúcho, acha que quem  é contra a criação de cotas raciais nas universidades pertence à "elite". Além de defender as cotas raciais, Paulo Paim é autor da  proposta de instituição do Estatuto da Igualdade Racial, uma idéia  tão estapafúrdia que chega a criar uma classificação oficial de raças  – algo mais ou menos inspirado nos grandes momentos do nazismo. Na  semana passada, mais de 100 brasileiros, entre intelectuais, acadêmicos, artistas e ativistas do movimento negro, divulgaram um manifesto pedindo ao Congresso Nacional que rejeite o projeto que cria as cotas raciais nas universidades e, também, o tal Estatuto da Igualdade Racial. Paulo Paim não gostou. Seu diagnóstico foi o seguinte: "Esse é um manifesto da elite, pois dar espaço aos negros não interessa". Pobre Paim.
         Dar espaço aos negros, ao contrário do que a paranóia do deputado sugere, interessa a todos os brasileiros. O que não interessa aos  brasileiros – brancos, negros, índios – é a estupidez racial. O projeto das cotas raciais e o tal estatuto racial, a pretexto de combater as imensas desigualdades sociais no país, não passam de uma calamidade. Nem se perca tempo dizendo que, ao privilegiarem essa ou aquela "raça", os projetos ferem o ditame constitucional segundo o  qual todos são iguais perante a lei. E nem se perca tempo dizendo que  isso é uma agressão frontal ao princípio republicano da igualdade.
           É até pior: esses projetos são o ovo da serpente. Eles forçam os brasileiros a criar uma identidade racial, numa  negação acintosa à originalidade de nossa miscigenação – dado  fundador de nossa identidade. Eles criam um conceito legal de raça.  Se aprovados, o Brasil passará a ter "raças oficiais". Com essa  asneira, estarão criadas condições ideais para gerar um clima de  confrontação racial no país. É óbvio que o Brasil precisa reverter a desvantagem de descendentes  de negros, que saíram da escravidão, e dos índios, que foram  dizimados e aculturados. 
           Quanto a isso, não há dúvida. Também não há  dúvida de que o país precisa reverter o descalabro em que vivem os  brancos analfabetos e miseráveis. Isso significa que a desigualdade  brasileira não é uma decorrência da tonalidade de pele, não é contra  negros – é contra pobres. A entrada de serviço nos prédios de  apartamentos não é para negros, é para pobres. As favelas e a mendicância não escolhem os negros. Escolhem os pobres. Sim, a maioria dos pobres são negros e pardos – e a melhor forma de combater essa desigualdade é criando oportunidades iguais, abrindo escolas, dando boa educação, oferecendo bons hospitais, gerando  empregos. 
          O Estado tem a missão de oferecer oportunidades iguais e bons serviços públicos – bons e universais. Quando se naufraga no pântano de ficar criando divisões raciais e étnicas, institui-se um Estado capaz apenas de fazer politicazinhas que prevêem a "inclusão" de uma "minoria" aqui, outra "minoria" ali. Não queremos ser uma federação de minorias. Queremos ser um país de cidadãos. É isso o que interessa a todos os brasileiros.

André Petry (REVISTA VEJA, Segunda-feira, Julho 03, 2006)



Nenhum comentário:

Postar um comentário