segunda-feira, 9 de novembro de 2015

EXERCÍCIO SOBRE ESTRUTURA DAS PALAVRAS

EXERCÍCIO  SOBRE ESTRUTURA DAS PALAVRAS

1. Assinale a opção em que há erro na identificação do elemento mórfico grifado:

a) compost
as: desinência de feminino;
b) 
quadrar: radical;
c) adot
ei vogal temática;
d) parec
eram: vogal temática;
e) influênci
a: desinência de feminino.

2. Vocábulo onde existe desinência de gênero:

a) segredo;
b) curiosidade;
c) força;
d) verbo;
e) alheia.

3. Assinale a alternativa sem desinência temporal:

a) aplaudias;
b) acordou;
c) faltarás;
d) vivam;
e) cobrasses.

4. Na língua portuguesa é o elemento que contém o significado básico da palavra:

a) prefixo
b) tema
c) radical
d) desinência
e) Vogal temática

5.  Assinalar a alternativa correta. Na palavra “
EMPEDRAMENTO”:

a) o sufixo é ENTO
b) o prefixo é EMPE
c) o tema é PEDRA
d) o radical é EMPED.
e) o prefixo é MENTO

6. Assinale a opção em que se caracterizou ERRONEAMENTE o elemento mórfico em destaque.

a) Ameaçam –
M – desinência número-pessoal
b) Seja –
A – desinência modo-temporal
c) Maneira –
A – desinência de gênero.
d) Informe –
IN – prefixo.
e) Pode –
E – vogal temática

7. Os elementos mórficos sublinhados estão corretamente classificados nos parênteses, EXCETO em:

a)  aluna (desinência de gênero);
b)  estudássemos (desinência modo-temporal);
c)  reanimava (desinência número-pessoal);
d)  deslealdade (sufixo);
e)  agitar (vogal temática).

8. “Achava natural que as gentilezas da esposa CHEGASSEM a cativar um homem”. Os elementos constitutivos da palavra destacada estão analisados corretamente, EXCETO:

a)  CHEG – radical;
b) A – vogal temática;
c)  CHEGA – tema;
d)  SSE – sufixo formador de verbo;
e)  M – desinência número-pessoal.

9. O elemento mórfico sublinhado NÃO é desinência de gênero, que marca o feminino, em:

a) tristonha;
b) rico;
c) telefonema;
d) perdedoras;
e) loba.

10. Assinale a opção em que nem todas as palavras são de um mesmo radical:

a) noite, anoitecer, noitada
b) luz, luzeiro, alumiar
c) pedra – pedreira - Pedro
d) festa, festeiro, festejar
e) riqueza, ricaço, enriquecer



GABARITO
1 E
2 E
3 D
4 C
5 D
6 E
7 C
8 D
9 C
10 C

EXERCÍCIO SOBRE TIPOS DE DISCURSO

ATIVIDADE SOBRE TIPOS DE DISCURSO

1.     
"Impossível dar cabo daquela praga. Estirou os olhos pela campina, achou-se isolado. Sozinho num mundo coberto de penas, de aves que iam comê-lo. Pensou na mulher e suspirou. Coitada de Sinhá Vitória, novamente nos descampados, transportando o baú de folha."

O narrador desse texto mistura-se de tal forma à personagem que dá a impressão de que não há diferença entre eles. A personagem fala misturada à narração. Esse discurso é chamado:

a) discurso indireto livre
b) discurso direto
c) discurso indireto
d) discurso sem narrador
e) discurso do personagem

2.     Sobre o discurso indireto é incorreto afirmar:

a) No discurso indireto, o narrador utiliza suas próprias palavras para reproduzir a fala de um personagem.
b) O narrador é o porta-voz das falas e dos pensamentos das personagens.
c) Normalmente é escrito na terceira pessoa. As falas são iniciadas com o sujeito, mais o verbo de elocução seguido da fala da personagem.
d) No discurso indireto as personagens são conhecidas através de seu próprio discurso, ou seja, através de suas próprias palavras.
e) É recorrente o uso da conjunção “que”.

3.     

Ela insistiu:
- Me dá esse papel aí.

Na transposição da fala da personagem para o discurso indireto, a alternativa correta é:

a) Ela insistiu que desse aquele papel aí.
b) Ela insistiu em que me desse aquele papel ali.
c) Ela insistiu em que me desse aquele papel aí.
d) Ela insistiu por que lhe desse este papel aí.
e) Ela insistiu em que lhe desse aquele papel ali.

O AQUECIMENTO CLIMÁTICO AMEAÇA AS GELEIRAS DO HIMALAIA

Por julien Bouissou

O aquecimento climático está acelerando o derretimento das geleiras do Himalaia. Quarenta e nove postos de observação do clima, espalhados pela cadeia montanhosa, registraram desde meados dos anos 1970 um aumento da temperatura media de 1,2 °C, ou seja, o dobro do aumento que havia sido registrado anteriormente, ao longo de um período equivalente, nesta latitude.
As geleiras que encobrem o Himalaia, numa superfície de 32.000 quilômetros quadrados, são as vítimas principais do aquecimento. Todas elas estão no processo de desaparecer, cada uma seguindo o seu próprio ritmo. A geleira Gangotri, um local de peregrinação hindu, cuja extensão é de 26 quilômetros, e que alimenta o Ganges, está diminuindo 23 metros por ano. Aquela de Bara Shigri, uma das geleiras mais importantes da Índia, está recuando 36 metros por ano. [...]
O aquecimento das temperaturas não se limita apenas a provocar o derretimento das geleiras. Ele encurta os períodos durante os quais estas últimas se formam. “Por causa da ocorrência cada vez mais tardia do inverno, os flocos de neve não mais dispõem do tempo necessário para se transformarem em gelo”, explica Syed lqbal Hasnain, um especialista indiano em geologia.


4.     Assinale a alternativa que apresenta o objetivo dessa notícia.

a) Evidenciar um fenômeno ocorrido no Himalaia por meio de fotografias que registram a diminuição das geleiras.
b) Registrar um fato decorrente do derretimento das geleiras do Himalaia, que poderá provocar a vazão dos mares naquela região.
c) Mostrar resultados de um estudo, comprovando que os recursos hídricos provêm do derretimento das geleiras.
d) Alertar para o aquecimento global e suas consequências, o que poderá causar repercussões em várias partes do mundo.
e) Conferir os estragos causados pelo aquecimento global, sugerindo soluções para o problema.

5.     Em relação ao termo “ou seja” pode-se afirmar que seu significado:

a) nega o que foi apresentado anteriormente, indicando uma não contradição no decorrer do texto.
b) marca uma relação de retificação, distorcendo o enunciado anterior.
c) estabelece a progressão textual, ampliando o conteúdo semântico do enunciado.
d) delimita a relação entre os enunciados do texto, ocasionando uma redução de sentido à informação posterior.
e) introduz um argumento que produz efeitos de sentidos contrários, alterando a informação anterior.

6.     No fragmento “Por causa da ocorrência cada vez mais tardia do inverno, os flocos de neve não mais dispõem do tempo necessário para se transformarem em gelo” (l. 18-21), as aspas são usadas para:
a) explicar, por meio do discurso direto, a preocupação da autora em relação ao derretimento das geleiras.
b) destacar, de forma indireta, a explicação do especialista indiano sobre o fenômeno do derretimento das geleiras.
c) acentuar, por meio do discurso indireto livre, que o aquecimento das temperaturas provoca a tardia formação de gelo.
d) reproduzir o discurso do outro, de forma indireta, sobre o que pode ocorrer devido à tardia chegada do inverno tio Himalaia.
e) citar o discurso alheio, de forma direta, reproduzindo literalmente a fala do especialista em geologia.

7.    Observe a Piada que segue e julgue V ou F:

A aula de Juquinha
Na aula sobre conjunções, a professora pede ao menino que exemplifique a diferença entre “portanto” e “entretanto”.
Ele pensa um pouco, lembra-se do que aprendeu e começa:
- Todo mundo me conhece onde moro, portanto deveria ser chamado de Juquinha. Entretanto, como aperto os botões do elevador quando desço e quando subo, sou conhecido como “sacana do décimo andar”.
 
(  ) O emprego das pessoas do discurso, ora na 2ª ora na 3ª prejudica o efeito humorístico da piada.
(   ) O efeito humorístico está apenas na fala de Juquinha.
(  ) Quando, na piada encontramos “Ele pensa um pouco, lembra-se do que aprendeu e começa:” os dois pontos (:) servem, nesse caso, marcam que vai se iniciar uma fala.
(  ) As conjunções empregadas na fala do personagem, podem, respectivamente ser substituídas por Logo e Contudo.

A sequência CORRETA é:

a) VFVF
b) FVVV
c) FFVV
d) FVFV
e) FVVF

8.    Observe o texto que segue:
  
O ovo e a galinha

Dois cientistas (chamemos-los Dr. Trurl e Dr. Klapaucius) estão discutindo uma questão fundamental para a Ciência: quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha? Não é uma questão tão ociosa quanto parece à primeira vista. Para além de seu teor biológico ela envolve uma profunda carga misteriosa que o caro leitor, espero, irá descortinando aos poucos. Diz Trurl: “Tenho o palpite, caro colega, de que a galinha surge primeiro. Ovos são postos por elas.(...) Klapaucius discorda: (...) A seguir teu argumento, teríamos que supor a existência de uma galinha surgida do nada(...)

      (Bráulio Tavares, Jornal da Paraíba)
                      
Do texto acima, pode-se concluir que:

a) Há no texto três discursos explícitos, e todos defendem a mesma tese.
b) O argumento utilizado pelo Dr Trurl, para defender sua idéia, foi convincente a ponto de acabar com a discussão em pauta.
c) Em nenhum momento o autor coloca seu posicionamento no texto, deixando a discussão entre os doutores fluir a sós.
d) O argumento utilizado por Klapaucius desconstrói a tese de Trurl. Não ajuda o leitor, entretanto, a se posicionar sobre a discussão.
e) Não há pistas lingüísticas no texto que comprove a divergência de opiniões entre Trurl e Klapaucius.

9.    Observe a imagem abaixo e assinale a única alternativa FALSA:


a)           A ausência de sinais de pontuação prejudica o leitor em diferenciar que tipo de discurso esse texto é criado.
b)           A palavra fogo está em sentido figurado.
c)            A comunicação é caracterizada por perguntas diretas.
d)           O texto é composto por discursos diretos.
e)           Não precisa de sinais de pontuação neste texto para indicar que as falas são diretas.

10.  Sobre discurso e tipos de discursos marque a única alternativa FALSA:

a)    Discurso é a prática humana de construir textos, sejam eles escritos ou orais. Sendo assim, todo discurso é uma prática social.
b)    Em um texto narrativo, o autor pode optar por três tipos de discurso: o discurso direto, o discurso indireto e o discurso indireto livre.
c)    Discurso Direto: Neste tipo de discurso as personagens ganham voz. É o que ocorre normalmente em diálogos.
d)    Discurso Indireto: O narrador conta a história e reproduz fala, e reações das personagens. É escrito normalmente em terceira pessoa.
e)    Em: “Que vontade de voar lhe veio agora! Correu outra vez com a respiração presa. Já nem podia mais. Estava desanimado. Que pena! Houve um momento em que esteve quase... quase!” é um exemplo de discurso indireto.

GABARITO
1 A
2 D
3 E
4 D
5 C
6 E
7 B
8 D
9 A
10 E


sexta-feira, 28 de agosto de 2015

ARTIGO DE OPINIÃO SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL NO BRASIL



                                            SERÁ QUE A FAMÍLIA VAI BEM?



           




              (Autora: Robéria Silva Santos, 2º ano,  E.E.E.F.M Euclides Mouzinho dos Santos)

         Sou uma adolescente de 17 anos, estudante do 2º ano do ensino médio, através dos meus conhecimentos posso formar e defender à minha opinião, tais como a redução da maioridade penal no Brasil é uma delas, a qual sou totalmente contra.
            Coloco-me no lugar de outros adolescentes que, por motivos tais como, familiar, financeiro, social, entre outros, caem no mundo do crime, tentando obter uma vida melhor. Creio que na maioria das vezes o pensamento deles seria de mudar de vida.
            Talvez, se eles tivessem uma boa educação, morassem em locais seguros, longe do crime e da violência, isso sim poderia mudar algo, mas o que o nosso “governo” quer é punir esses adolescentes por erros cometidos pelo mesmo governo. Um desses erros, por exemplo, foi investir mais em presídios ao invés de escolas, saúde, empregos e segurança. Isso gerou muita revolta. No nosso país existe mais cadeias do que institutos de educação. Aí eu pergunto: um país que possui mais presídios que escolas, terá outro resultado diferente a não ser o aumento da criminalidade com participação de adolescentes? Talvez se os mesmos estivessem nos institutos de educação praticando o que gostam e não nas ruas, isso não iria ocorrer.
            Eu sou estudante, inicia as aula no colégio que estudo as 13:00h da tarde e finaliza as 17:30h, passar esse período de cinco horas e meia assistindo aulas teóricas. Não tem nada prazeroso naquele lugar. O único motivo que me faz ir ao colégio todos os dias é a influencia da minha família, que explicar que devo estudar para ter um futuro melhor. Mas muitos desses adolescentes não têm o mesmo apoio que eu tenho. Não têm pai ou mãe, até mesmo um parente que lhe aconselhe a estudar. Portanto, eles pensam; para que continuar aqui nessa escola fazendo o que eu não gosto? Enfim, eu penso que o governo deveria realizar projetos para reestruturar as famílias e não destruí-las.


sexta-feira, 14 de agosto de 2015

CHARGE PARA A REFLEXÃO

 
COMENTEM ESSA CHARGE


CRÔNICA "A VELHINHA CONTRABANDISTA"

A velhinha contrabandista 

 

       Diz que era uma velhinha que sabia andar de lambreta. Todo dia ela passava na fronteira montada na lambreta, com um bruto saco atrás da lambreta. O pessoal da alfândega - tudo malandro velho - começou a desconfiar da velhinha.

      Um dia, quando ela vinha na lambreta com o saco atrás, o fiscal da alfândega mandou ela parar. A velhinha parou e então o fiscal perguntou assim pra ela:

     - Escuta aqui, vovozinha, a senhora passa por aqui todo dia, com esse saco aí atrás. Que diabo a senhora leva nesse saco?

      A velhinha sorriu com os poucos dentes que lhe restavam e mais os outros, que ela adquirira no odontólogo, e respondeu:

     - É areia!

     Aí quem sorriu foi o fiscal. Achou que não era areia nenhuma e mandou a velhinha saltar da lambreta para examinar o saco. A velhinha saltou, o fiscal esvaziou o saco e dentro só tinha areia. Muito encabulado, ordenou à velhinha fosse em frente. Ela montou na lambreta e foi embora, com o saco de areia atrás.

      Mas o fiscal ficou desconfiado ainda. Talvez a velhinha passasse um dia com areia e no outro com moamba, dentro daquele maldito saco. No dia seguinte, quando ela passou na lambreta com o saco atrás, o fiscal mandou parar outra vez. Perguntou o que é que ela levava no saco e ela respondeu que era areia, uai! O fiscal examinou e era mesmo. Durante um mês seguido o fiscal interceptou a velhinha e, todas as vezes, o que ela levava no saco era areia.

     Diz que foi aí que o fiscal se chateou:

     - Olha, vovozinha, eu sou fiscal de alfândega com quarenta anos de serviço. Manjo essa coisa de contrabando pra burro. Ninguém me tira da cabeça que a senhora é contrabandista.

    - Mas no saco só tem areia! - insistiu a velhinha. E já ia tocar a lambreta, quando o fiscal propôs:

     - Eu prometo à senhora que deixo a senhora passar. Não dou parte, não apreendo, não conto nada a ninguém, mas a senhora vai me dizer: qual é o contrabando que a senhora está passando por aqui todos os dias?

     - O senhor promete que não "espáia"? - quis saber a velhinha.

     - Juro - respondeu o fiscal.

     - É lambreta.

  (Sérgio Porto - Stanislaw Ponte Preta)

ATIVIDADE SOBRE RESENHA CRÍTICA

TEXTO 1: SAGA CREPÚSCULO:  TUDO PARA SER UM SUCESSO
       A história de Crepúsculo é sobre Bella Swan, uma adolescente que nunca se deu bem com as outras garotas e, depois que a mãe se casa novam ente, se muda da ensolarada Phoenix para a chuvosa cidade de Forks para viver com o pai. Lá, ela começa a viver um romance com o misterioso Edward Cullen, que faz parte de uma família de vampiros. Assim como os outros de sua espécie, Edward é extremamente forte e rápido, e também não envelhece. Porém, sua família se diferencia dos outros vampiros por não beberem sangue humano. Apesar do que sentem um pelo outro, Bella e Edward tentam se afastar, para que ele não ceda ao desejo de beber o sangue dela. Mas as coisas começam a piorar para os dois quando um grupo de vampiros inimigos da família de Edward chegam à cidade procurando por Bella.
       Crepúsculo é o mais recente fenômeno entre a garotada. Tendo custado US$ 37 milhões, rendeu mais de US$ 145 milhões ao redor do planeta em duas semanas nos cinemas. O filme reúne elementos que atraem em cheio os espectadores mais jovens: romance e fantasia, além de toques de suspense. Um romance adolescente – já complicado por definição - que ganha toques de dramaticidade por conta dele ser um vampiro.    Edward é mais ou menos tudo que uma garota sonha (num mundo fantasioso, evidentemente): lindo, protege Bella e ainda tem superpoderes. Deve ser por isso que ele é capaz de arrancar suspiros não somente da protagonista, mas da platéia feminina também.              
       O conflito é transformado em tensão, sofrimento, dor e tudo isso que o amor provoca, mesmo nos seres humanos normais que não brilham como diamantes sob o sol como os vampiros.. As cenas nas quais Edward mostra toda a sua força e velocidade típicas de sua espécie são impressionantes, principalmente quando ele praticamente flutua pelas paisagens geladas das florestas que circundam a cidade de Forks A fotografia gelada, numa ambientação sempre chuvosa, dá o ar sombrio que a história precisa. Mas algo incomoda em Crepúsculo: a trilha sonora.
       Essa já cansativa mania dos produtores de Hollywood de utilizarem a música exageradamente para sublinhar sentimentos e momentos de tensão. O final do longa é aberto, evidentemente, já pedindo uma continuação e atiçando o espectador que volte aos cinemas em 2010. Enfim, Crepúsculo é o tipo de filme a ser recomendado aos espectadores adolescentes que embarcam em sua viagem.

(Joana Vieira Silva – 1º ano, 17 anos, MG.)

TEXTO 2: MERCENÁRIOS 2:  A VOVOZADA CONTINUA
       A fórmula do primeiro filme era simples: pegar vários astros de ação, muitos estão perto da aposentaria, e colocá-los todos juntos na tela. Por isso, o que parece mais óbvio é fazer uma continuação aumentando a quantidade de nomes que vemos em diversos filmes de ação. Liderados por Stallone, que ganha destaque no cartaz, temos um sangue novo interpretado por Liam Hemsworth e muito sangue velho aumentando o bando, com Schwarzenegger e Bruce Willis com mais coisas para fazer do que no primeiro. 
        O mais curioso, é que a fórmula realmente funciona. Funcionou no primeiro e continua funcionando aqui. Claro que não estou falando que se trata de uma obra-prima do cinema, mas sim que o filme acaba sendo divertido e servindo seus propósitos. Aqui, eles se superam em quase todos os aspectos, e seguem a mesma linha que traçaram no filme anterior. Exceto que agora o vilão é Vilain (Jean-Claude Van Damme), cujo nome é muito similar a "vilão" em inglês.
         Segundo divulgaram, Stallone não quis dirigir o filme, coisa que fez no primeiro, para se dedicar mais ao roteiro do filme. O que se pode esperar, porém, não é um resultado melhor do que o primeiro. E olhe que o resultado do primeiro já não era nada de excepcional. Os diálogos não fluem necessariamente como deveriam e o humor não funciona.
         O filme termina com uma desnecessária luta entre Stallone e Van Damme, mas acredito que além de ser uma espécie de regra, deva ser impossível contratar o ator belga e não lhe oferecer uma cena de luta. A luta é anti-climática e talvez não de acordo com a idade dos senhores. É tolice tentar categorizar este filme em termos de bom ou ruim, então o que resta é analisar como uma nostálgica volta aos filmes de ação, e nesse sentido ele satisfaz.
       Recomenda-se o conhecimento desse filme a todos os públicos que apreciam um filme de ação com veterano de guerra, com uma dose de comédia.

(Pedro Arthur Cardoso, 1º ano, 16 ano, SP)


RESPONDA SOBRE OS TEXTOS
1. Que tipo de texto são estes dois que acabamos de ler?
2. Por que eles são esse tipo de texto? Como temos certeza disso?
3. Como começa o texto 1?
4. A autora do texto 1 se colocar a favor ou contra ao filme que ela está analisando?
5. Cite um ponto positivo que ela vê nesse filme?
6. Segundo o texto 1, que elementos esse filme tem que atraem em cheio os espectadores mais jovens?
7. Segundo o texto 1, para que tipo de publico é recomendado o filme Crepúsculo?
8. Como começa o texto 2?
9. O autor do texto 2 se colocar a favor ou contra ao filme que ele está analisando?
10. Cite um ponto negativo que ele vê nesse filme?
11. Segundo o texto 2, qual a fórmula para a elaboração do Filme “Mercenários 2”?
12. Segundo o texto 2, para que tipo de publico é recomendado o filme “Mercenários 2”?
13. Marque V ou F nos parênteses sobre o gênero resenha critica:
(  ) Ao elaborar uma resenha crítica deve-se procurar resumir o assunto, apontar as deficiências e/ou pontos que, sob a sua ótica, poderiam ser melhor trabalhados (lembre-se que tais pontos podem estar fora do escopo da obra analisada), sem entrar em muitos pormenores e, ao mesmo tempo, destacar os pontos fortes com ponderação e sem bajular. 
(  ) Como um gênero textual, uma resenha nada mais é do que um texto em forma de síntese que expressa a opinião do autor sobre um determinado fato cultural, que pode ser um livro, um filme, peças teatrais, exposições, shows etc.
(   ) Resenha não tem título.
(   ) Na resenha não é preciso recomendar a obra resenhada.
(   ) Recomende a obra: Você já leu, já resumiu e já deu sua opinião, agora é hora de analisar para quem o texto realmente é útil (se for útil para alguém). 
BONS ESTUDOS!!!!!!!!!!!